Perguntas e respostas sobre a Covid-19 para gestantes, puérperas e tentantes

You are currently viewing Perguntas e respostas sobre a Covid-19 para gestantes, puérperas e tentantes

Estamos em um momento delicado para a saúde de forma geral. A pandemia do Coronavírus, que origina a doença Covid-19, colocou nações inteiras em isolamento social e toda a estrutura hospitalar desses países à disposição de emergências.

Em todo esse cenário, mulheres grávidas, que acabaram de passar pelo parto ou que simplesmente estavam planejando a gestação sentem-se perdidas e até desamparadas.

O Coronavírus é um tipo viral novo para o organismo humano. Assim, as reações no corpo ainda seguem em estudo, o que traz uma grande angústia para muitas gestantes.

Além disso, muita desinformação paira em relação a esse assunto. Por isso, preparamos um artigo com algumas perguntas e respostas sobre a Covid-19 para gestantes, tentantes e puérperas. Leia até o final para saber mais.

A tentante deve pausar as tentativas?

Independente se a tentativa de gravidez é pelas vias naturais ou por fertilização, a recomendação é aguardar alguns meses. Ninguém sabe muito sobre a Covid 19 ou suas consequências a longo prazo.

Quem está em meio a um processo de indução pode, sim, concluir, assim como o tratamento de infertilidade não precisa ser interrompido.

É importante ressaltar que parar com as tentativas não significa parar com os cuidados para engravidar. Boas noites de sono, boa alimentação, atividades físicas, suplementação e outros hábitos devem ser mantidos para manter a qualidade de vida e, por consequência, aumentar a chance de uma gestação quando tudo passar.

Leia também: Exercícios físicos no pós-parto

A Covid-19 passa por transmissão vertical?

Chamamos de transmissão vertical quando a gestante passa o vírus ao bebê enquanto está no útero ou mesmo durante o trabalho de parto.

Estudos foram realizados avaliando bebês nascidos de mães infectadas com Covid-19 e nenhuma evidência sobre a transmissão vertical foi encontrada em análise da placenta, líquido amniótico, sangue do cordão umbilical, orofaringe dos recém-nascidos e leite materno.

Porém, ficou registrado dia 26 de março um caso de mãe contaminada onde ficou registrado que o bebê também estava com SARS-COV2 IGM. Como o IGM não passa pela placenta, a conclusão é que esse positivo tenha sido uma resposta imunológica do bebê em sua vida intra-uterina.

Assim, foi o primeiro caso que apontou a possibilidade da transmissão vertical. No entanto, ainda não existem evidências de que o vírus cause malformações ou perdas gestacionais.

O aleitamento materno deve ser mantido pelas mamães com suspeita de Covid-19?

Apesar do medo que a mulher pode sentir em transmitir a doença ao seu filho, não existem evidências que o vírus esteja presente no leite materno de uma pessoa contaminada. Para amamentar, a mulher deve preferencialmente usar máscara e evitar respirar em cima do bebê.

Caso não esteja se sentindo bem, é fundamental realizar a ordenha na quantidade necessária para outra pessoa alimentar o bebê. O leite materno continua sendo fundamental para o desenvolvimento e a formação da imunidade desse bebê.

Esperamos que cada gestante, tentante e puérpera passe por esse período de quarentena da maneira mais confortável possível. Para levar informação a essas mulheres é que reabrimos as inscrições para o Curso On-line Bebê Genial com uma condição muito especial.

Para conhecer todas as aulas e fazer sua inscrição, clique aqui.

Dra. Erica Mantelli

Graduada em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro. Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro. Especialização em sexualidade humana pela Universidade de SÃO Paulo / USP.