Como a meditação ajuda no desenvolvimento do bebê

You are currently viewing Como a meditação ajuda no desenvolvimento do bebê

A gravidez nem sempre é um mar de rosas: há ansiedade, medo e angústia também. Mas a boa notícia é que a meditação na gestação não é boa apenas para a futura mamãe: também ajuda o bebê a se desenvolver melhor!

Ao longo da gestação, uma parcela das mulheres sofre com distúrbios de ordem emocional. Aliás, algo em torno de 18% das mulheres ficam deprimidas durante a gravidez e 21% sofrem de ansiedade grave.

É por isso que é papel dos obstetras durante o pré-natal cuidar também da saúde mental das gestantes. E de acordo com pesquisas, a meditação na gestação pode representar um papel importantíssimo no processo.

Ficou curiosa? Então confira o artigo que preparamos abaixo sobre o tema!

O que é meditação?

Pense na meditação como um momento tranquilo para respirar e se conectar, ficar atento aos pensamentos que passam e clarear a mente.

Alguns dizem que é encontrar paz interior, aprender a se desapegar e entrar em contato consigo mesmo por meio da respiração e do foco mental.

Para alguns de nós, pode ser tão simples quanto inspirar e expirar enquanto você tenta se concentrar em você, em seu corpo e no bebê. 

Ou você pode fazer uma aula ou retirar-se para seu lugar especial na casa com travesseiros, um tapete e silêncio total.

Alguns dos benefícios da prática da meditação incluem:

  • melhor dormir
  • conectar-se ao seu corpo em mudança
  • alívio do estresse
  • paz de espírito
  • menos tensão
  • preparação positiva para o parto
  • menor risco de depressão pós-parto

Leia também::: Importância da vitamina C na gestação

Como a medicação na gestação beneficia o bebê?

A saber, médicos e cientistas estudaram os benefícios da meditação em mulheres grávidas e mostraram que ela pode ajudar as futuras mamães durante a gravidez e especialmente no parto.

As mães que apresentam altos níveis de estresse ou ansiedade durante a gravidez têm maior probabilidade de dar à luz prematuros ou com baixo peso ao nascer.

O estresse pré-natal também pode afetar o desenvolvimento fetal. Estudos têm demonstrado que pode até afetar o desenvolvimento cognitivo, emocional e físico na primeira infância e na infância. Mais uma razão para reservar algum tempo de meditação!

Menor frequência cardíaca e pressão arterial

Muito estresse pode elevar seus níveis de cortisol e pressão arterial. A pressão alta (hipertensão arterial) pode ter efeitos muito negativos durante a gravidez, para você e seu bebê. 

Mas quando a pressão arterial está alta, diminui a quantidade de fluxo sanguíneo para a placenta. Isso pode significar que seu bebê não recebe tantos nutrientes e oxigênio, levando a um crescimento lento, parto prematuro ou baixo peso ao nascer. 

Por exemplo, a meditação é uma maneira maravilhosa de acessar sua calma interior para manter sua pressão arterial em um nível saudável. Ao promover níveis mais baixos de estresse, você também mantém a inflamação sob controle. 

Aumente a sua resiliência interior

Como disse antes, a gravidez lança muitos desafios em seu caminho. Quer seja lidar com uma dor diferente a cada dia ou a montanha-russa de humores que é a gravidez … a meditação ajuda você a construir e manter sua resiliência interior. 

Pesquisas mostram que pessoas que praticam meditação e atenção plena têm níveis mais altos de resiliência psicológica — em outras palavras, são capazes de se adaptar ao estresse e à adversidade. 

A meditação não fará com que a pelve dolorida ou o choro desapareça, mas torna mais fácil para você enfrentar e lidar com esses altos e baixos. 

Conexão profunda com o bebê

Aliás, a meditação consciente permite que você crie o espaço e o tempo para sentar-se quieto e descansadamente — proporcionando a capacidade de mergulhar profundamente na conexão com o seu bebê. Você pode visualizar seu bebê, colocar as mãos sobre a barriga ou sussurrar afirmações positivas.

Além disso, essa conexão durante a gravidez traz à tona uma ferramenta poderosa que você pode usar no trabalho de parto, quando estiver viajando profundamente dentro de si mesma durante as contrações — trabalhando com seu corpo e com o bebê. 

Consciência corporal

Há tantas coisas acontecendo com seu corpo durante a gravidez que às vezes pode parecer opressor. 

Durante o trabalho de parto e o parto, as sensações podem ser tudo o que você conhece e ser capaz de desviar sua atenção da sensação de opressão pode ser um benefício positivo da meditação. 

Essa atenção plena no espaço entre as contrações o encoraja e o restaura nos momentos em que se sente desafiado. 

Estar atento ao seu corpo durante a gravidez dá-lhe a consciência de buscar apoio se sentir que algo não está certo.

Leia também::: O papel do iodo no desenvolvimento do bebê

Traga a meditação para sua vida

Agora que você está ciente de como a meditação na gestação é benéfica, como você fará para trazer mais disso para sua vida? 

Primeiro, comece o mais rápido possível. Nunca é muito cedo ou muito tarde para incorporar a prática meditativa em sua rotina diária de gravidez. 

Os benefícios da meditação podem ser experimentados imediatamente. No entanto, quando a mediação se torna uma prática regular, você realmente começa a experimentar os benefícios de transformação da vida. 

Você não precisa ter nenhuma experiência anterior de meditação, apenas uma vontade de ir fundo em seu espaço interior. 

Portanto, tudo o que você precisa é de um lugar confortável e tranquilo para se sentar (dependendo de quão grávida você está, isso pode estar com as pernas cruzadas no chão, em uma cadeira ou até mesmo deitada de lado). 

Mas, com o passar dos dias, você verá o quão bom é a meditação e conseguirá ter uma conexão ainda maior com o bebêzinho que vem se desenvolvendo dentro de você!

Espero que tenha gostado do artigo sobre os benefícios da meditação na gestação. E para mais dicas e muita informação, conheça também nosso curso “Bebê Genial”. É só clicar no botão abaixo!

Dra. Erica Mantelli

Graduada em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro. Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro. Especialização em sexualidade humana pela Universidade de SÃO Paulo / USP.