O papel do iodo no desenvolvimento do bebê

You are currently viewing O papel do iodo no desenvolvimento do bebê

O iodo é um mineral encontrado nos alimentos — e um dos nutrientes mais importantes no desenvolvimento do bebê. 

Ele é usado para o desenvolvimento do cérebro e crescimento físico. Embora nossos corpos precisem apenas de uma quantidade ínfima (apenas 5 gramas ao longo de uma vida de 70 anos!), aquele pouco de iodo em nossa dieta é realmente importante.

A maioria das pessoas obtém iodo suficiente em sua vida cotidiana, mas, historicamente, nem sempre foi assim. Antes da introdução do sal iodado na década de 1950, a deficiência severa de iodo afetava muitas pessoas e afetava negativamente o desenvolvimento intelectual de bebês e crianças.

No artigo abaixo, falamos mais da importância do iodo no desenvolvimento do bebê, e quais as fontes que a gestante pode obter. Vamos conferir?

Por que o iodo é importante na gravidez?

O iodo mantém a função normal da tireoide, uma glândula na base do pescoço. A tireoide regula os hormônios que controlam o metabolismo, a frequência cardíaca, a temperatura corporal e outras funções corporais essenciais.

Obter iodo suficiente garante que seu bebê também desenvolva uma tireoide saudável e normal. Mas em casos raros em que o feto tem uma tireoide subdesenvolvida, isso pode levar a efeitos negativos como baixo QI, atrasos no desenvolvimento, surdez, comprometimento do crescimento físico e do desenvolvimento e outros problemas.

O iodo também é fundamental na lactação, já que a mamãe o passa para o bebê através do leite materno. Isso significa que o iodo que a mulher consome durante a gravidez continua a apoiar o desenvolvimento do cérebro e da tireoide do seu bebê até que ele pare de amamentar e transite totalmente para sólidos.

Leia também::: Como controlar a ansiedade na gravidez?

De quanto iodo uma gestante precisa?

Ou seja, como o iodo é tão importante para a saúde fetal, o recomendado que as mulheres recebam de 200 a 250 mcg por dia antes da gravidez, 220 mcg durante a gravidez e 290 mcg durante a amamentação.

Você pode obter iodo suficiente na suplementação pré-natal, mas isso depende do tipo de suplemento que está tomando. 

Mas além da suplementação, a melhor maneira de garantir que você está recebendo o suficiente é seguir uma dieta saudável para gestantes. Concentre-se em alimentos integrais que sejam fontes naturais de iodo, tais como:

  • Peixes
  • Iogurte 
  • Leite 
  • Camarão 
  • Ovo 
  • Queijo 
  • Ameixas secas 

Você pode obter iodo adicional cozinhando com sal iodado. Uma colher de chá de 1/4 fornece 71 mcg. Mas mantenha sua ingestão total de sódio sob controle: comer muito sal pode aumentar o inchaço e elevar a pressão arterial.

Como conhecer os níveis de iodo no corpo?

O teste mais comum para verificar os níveis de iodo é o teste de urina. Mas se você estiver preocupado, converse sobre isso com seu médico, que pode solicitar os exames necessários para avaliar seus níveis. 

Quando os níveis de iodo estão baixos ou deficientes, você pode sentir sintomas como aumento da tireoide (bócio) ou nódulos na base do pescoço. 

O hipotireoidismo é outra preocupação, especialmente se você tiver calafrios, fraqueza muscular, fadiga, pele pálida, inchaço, dores nas articulações ou nos músculos ou prisão de ventre.

Leia também::: Importância da vitamina C na gestação

Inclua o iodo na sua alimentação

Felizmente, o iodo é fácil de incluir nas refeições se você seguir uma dieta saudável e bem balanceada para gestantes. Por isso, concentrem-se em alimentos integrais, cozinhando com sal iodado e tomando os suplementos indicados pelo profissional de saúde.

Dessa forma, o desenvolvimento do bebê transcorrerá normalmente ao longo da gestação e ele também terá pleno desenvolvimento futuro. Para saber mais sobre os suplementos da gestação, conheça nosso curso “Bebê Genial” clicando no botão abaixo!

Dra. Erica Mantelli

Graduada em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro. Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro. Especialização em sexualidade humana pela Universidade de SÃO Paulo / USP.