Autoexame de mama: o que toda mulher deve saber a respeito

You are currently viewing Autoexame de mama: o que toda mulher deve saber a respeito

Infelizmente ainda há um grande tabu em torno do autoexame de mama. E também não vemos campanhas incentivando as mulheres a conhecerem seu corpo.

O resultado é ainda um grande número de mulheres que morrem em decorrência do câncer de mama. É o tipo de câncer mais incidente em mulheres no mundo, representando 24,2% do total de casos em 2018, com aproximadamente 2,1 milhão de casos novos. 

Somente no Brasil, o câncer de mama é o mais incidente em mulheres de todas as regiões. Para se ter uma ideia, em 2020 estima-se que foram registrados 66.280 casos novos. Ou seja, uma taxa de incidência de 43,74 casos por 100.000 mulheres.

E a melhor forma de evitar isso é com o diagnóstico precoce por meio do autoexame de mama. É com a mulher conhecendo seu corpo e percebendo mais rapidamente qualquer alteração.

O que é o autoexame de mama?

Um autoexame de mamas em como objetivo permitir que você tenha melhor percepção das mamas. Ajuda ainda a entender a aparência e a sensação normais de seus seios. 

Por exemplo, se você notar uma mudança em seus seios que pareça anormal, ou se você notar que uma das mamas está diferente da outra, você deve informar ao seu médico.

Para ajudar a aumentar a percepção dos seios, você usa os olhos e as mãos para determinar se há alguma alteração na aparência e na sensação dos seios.

Se notar novas alterações na mama, converse com seu médico. Embora a maioria das alterações mamárias detectadas durante um autoexame tenham causas benignas, algumas alterações podem sinalizar algo sério, como câncer de mama.

LEIA TAMBÉM>>> Cuidados com as mamas durante a amamentação

Como fazer o autoexame de mama?

Para que ele tenha o resultado esperado, você deve realizar o autoexame de forma correta. O mais importante é que ele deve ser feito no período certo, que é entre 6 e 10 dias após a menstruação. 

Como seus níveis hormonais flutuam a cada mês durante o ciclo menstrual, isso causa alterações no tecido mamário. Ou seja, o inchaço começa a diminuir quando começa a menstruação e normaliza em geral uma semana após o fim do ciclo.

Quando for o período certo, sente-se ou fique de pé sem camisa e sem sutiã na frente de um espelho com os braços ao longo do corpo. Para inspecionar seus seios visualmente, faça o seguinte:

  • Vire para a frente e observe se há enrugamento, ondulações ou mudanças no tamanho, forma ou simetria.
  • Verifique se seus mamilos estão voltados para dentro (invertidos).
  • Inspecione seus seios com as mãos pressionadas para baixo nos quadris.
  • Inspecione seus seios com os braços erguidos acima da cabeça e as palmas das mãos pressionadas uma contra a outra.
  • Levante os seios para ver se as cristas ao longo da parte inferior são simétricas.

Use as mãos

Após essa inspeção visual, use as mãos para examinar seus seios. As maneiras comuns de realizar a parte manual do exame de mama incluem:

  • Deitada: escolha uma cama ou outra superfície plana para se deitar de costas. Quando deitada, o tecido mamário se espalha, tornando-o mais fino e fácil de sentir.
  • No banho: passe sabão nos dedos e nos seios para ajudar os dedos a deslizarem mais suavemente sobre a pele.

Ao examinar seus seios, algumas dicas gerais para manter em mente incluem:

  • Não use as pontas dos dedos: use as almofadas, não as pontas, dos três dedos médios para o exame. Se você tiver dificuldade para sentir as pontas dos dedos, use outra parte da mão que seja mais sensível, como a palma ou a parte de trás dos dedos.
  • Use diferentes níveis de pressão: seu objetivo é sentir diferentes profundidades da mama, usando diferentes níveis de pressão para sentir todo o tecido mamário. Use uma leve pressão para sentir o tecido mais próximo da pele, uma pressão média para sentir um pouco mais fundo e uma pressão firme para sentir o tecido mais próximo do peito e das costelas. Certifique-se de usar cada nível de pressão antes de passar para o próximo ponto. Se você não tiver certeza de como pressionar, converse com seu médico.
  • Não tenha pressa: não se apresse. O exame cuidadoso de seus seios pode demorar vários minutos.
  • Siga um padrão: use uma técnica metódica para garantir que você examine toda a sua mama. Por exemplo, imagine o mostrador de um relógio sobre seu peito ou as fatias de uma torta. Comece perto de sua clavícula e examine essa seção, movendo os dedos em direção ao mamilo. Em seguida, mova seus dedos para a próxima seção.

O que é normal?

Muitas mulheres encontram protuberâncias ou alterações nos seios, uma vez que algumas dessas alterações são normais que ocorrem em vários pontos do ciclo menstrual. 

Mas encontrar uma alteração ou um nódulo no seio não é motivo para pânico. Frequentemente, os seios parecem diferentes em lugares diferentes. Além disso, a aparência de seus seios muda com a idade.

Porém, você deve consultar um médico quando encontrar:

  • Um caroço ou nó duro perto da axila
  • Mudanças na aparência ou sensação dos seios, incluindo espessamento do tecido circundante
  • Covinhas, rugas, protuberâncias ou sulcos na pele do seu peito
  • Uma mudança recente em um mamilo para ser empurrado para dentro (invertido) em vez de sobressair
  • Vermelhidão, calor, inchaço ou dor
  • Comichão, escamas, feridas ou erupções na pele
  • Secreção mamilar sangrenta

Seu médico pode recomendar testes e procedimentos adicionais para investigar alterações nas mamas, incluindo um exame clínico das mamas, mamografia e ultrassom.

Cuide de você!

O autoexame de mama é algo que toda mulher deve fazer a partir dos 20 anos. Dessa forma, quando mais precocemente for descoberto o câncer de mama, melhores são os resultados do tratamento.

Portanto, saiba que quanto antes você cuidar de você e fizer o autoexame de mama, melhor vai ser a sua vida. Não espere a doença chegar para se cuidar. E para saber ainda mais sobre o tema, confira esse vídeo em nosso canal no Youtube!

Dra. Erica Mantelli

Graduada em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro. Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro. Especialização em sexualidade humana pela Universidade de SÃO Paulo / USP.