Ansiedade na gravidez faz mal para o bebê?

You are currently viewing Ansiedade na gravidez faz mal para o bebê?

O final da gestação vai se aproximando e começa a tensão por parte da mamãe. E diante disso, ela pode até se questionar se a ansiedade na gravidez faz mal para o bebê.

Este problema é muito comum e na grande maioria dos casos as mulheres sentem-se inseguras para o parto. 

E infelizmente isso não é nada bom, tanto para a mamãe quanto para o bebê. Por isso, se você é uma gravida ansiosa ou conhece alguém que está na gravidez com ansiedade, esse artigo traz dicas de como aliviar a ansiedade na gravidez. 

Vamos conferir?

O que é ansiedade?

A ansiedade é um sentimento de desconforto, preocupação ou medo, que pode ser leve ou grave. 

Todo mundo se sente ansioso às vezes, e isso é normal. Mas algumas pessoas acham difícil controlar suas preocupações. 

Algumas pessoas com ansiedade também têm ataques de pânico, o que pode ser muito assustador.

Algumas gestantes se sentem angustiadas ou culpadas por sentirem ansiedade quando todos esperam que elas sejam felizes. 

Mas a ansiedade é uma condição de saúde mental e não um sinal de fraqueza, algo que desaparecerá por conta própria ou que você deve simplesmente “sair”.

Os sintomas de ansiedade podem incluir:

  • Sentir-se inquieta a maior parte do dia
  • Estar sempre preocupada 
  • Ter sensação de pavor
  • Ser incapaz de se concentrar 
  • Ficar irritada sem causa aparente
  • Achar que está sempre no limite
  • Ter dificuldades para dormir

Leia também::: A importância de conversar com o bebê antes do parto

O que causa ansiedade na gravidez?

A ansiedade é um problema de saúde mental muito comum, principalmente para as mulheres. 

Mas ela pode ser resultado de alterações hormonais durante a gravidez, que podem afetar seu humor e torná-la mais vulnerável a se preocupar

A dificuldade para dormir — uma queixa comum da gravidez — pode piorar os sintomas de ansiedade. 

Há casos de mulheres que tiveram uma gravidez interrompida, ou mesmo um parto traumático anteriormente, e há o medo disso vir a se repetir. 

Preocupações sobre questões que geralmente estão fora de seu controle, como a saúde do seu bebê, o parto, mudanças no corpo durante a gravidez, medo de não poder amamentar, ou sua capacidade de ser uma boa mãe.

Ou seja, os motivos são variados e devem sempre ser compartilhados com o obstetra durante as consultas de pré-natal, para que a causa exata possa ser descoberta.

Com base nas causas, é iniciado o tratamento, que pode exigir o acompanhamento de uma equipe multidisciplinar.

Como a ansiedade afeta o bebê?

A ansiedade durante a gravidez é tratável, mas é essencial procurar ajuda. Afinal, a ansiedade persistente durante a gravidez pode levar a problemas futuros de saúde e desenvolvimento para seu bebê.

Por exemplo, estudos associaram a ansiedade não tratada da mãe durante a gravidez à prematuridade, baixo peso ao nascer e restrição do crescimento fetal. 

Além disso, o mesmo estudo indica que a ansiedade pré-natal também pode aumentar o risco futuro de uma criança de transtornos mentais, problemas emocionais, hiperatividade e desenvolvimento cognitivo prejudicado.

Nas mamães, a ansiedade não tratada durante a gravidez pode piorar as náuseas e os vômitos. 

A ansiedade também pode tornar mais difícil cuidar de você e do seu filho e criar um vínculo com seu bebê assim que ele nascer.

Como reduzir a ansiedade?

Para as mamães que sofrem com a ansiedade na gravidez, uma forma de reduzi-la é mudando algumas rotinas, além de adotar hábitos mais saudáveis.

Como dica, você pode tentar:

Pegue mais leve

Como vimos, a falta de sono pode elevar os níveis de ansiedade. Então procure dormir de sete a oito horas por noite sempre que possível. 

Coma alimentos integrais e frescos

O que você come pode ter um grande efeito na sua saúde mental. Por exemplo, comer uma dieta bem equilibrada — alimentos ricos em nutrientes, integrais e não processados ​​(incluindo frutas, vegetais, peixes, nozes, laticínios e grãos integrais) — em vez de alimentos processados ​​e rápidos, pode melhorar sua saúde intestinal e, consequentemente, diminuir a ansiedade.

Fique ativa

Algo tão rápido e fácil quanto uma caminhada de 10 minutos pode diminuir os níveis de tensão. As pessoas que fazem exercícios regulares são menos propensas a desenvolver ansiedade ou depressão.

Arme-se com conhecimento

Aprender os meandros da gravidez e da maternidade pode ajudar muito você a se sentir preparada. Então busque artigos, vídeos, cursos, sempre de fontes confiáveis, para aprender mais sobre as mudanças do seu corpo.

Reserve um tempo no seu dia para relaxar

Por exemplo, tire um tempinho só para você, para um banho mais demorado, para meditar, praticar Yoga, etc. Se conectar consigo mesma e sentir o bebê também é uma ótima forma de relaxar.

Leia também::: Como a meditação ajuda no desenvolvimento do bebê

Cuide de você!

Como vimos, a ansiedade na gravidez é um sério problema e que pode afetar a mamãe e também o desenvolvimento do bebê.

Por isso, se você está passando por uma crise de ansiedade durante sua gestação, converse com seu médico. Encontrar formas de reduzir sua tensão deve ser uma prioridade, para que você possa aproveitar ao máximo o momento pelo qual vem passando.

Mas como mencionamos, buscar informações sobre a mudança que acontece no seu corpo também é vital. Por isso, indicamos o curso “Bebê Genial”. Nele apresentamos tudo que ocorre antes, durante e depois da gestação que afeta diretamente na formação física, psíquica e comportamental do bebê.

Abaixo também compartilhamos um vídeo no qual explicamos mais sobre a ansiedade na gravidez, e como ela pode ser encarada. Para conferir, é só dar o play!

Por fim, esperamos que tenham gostado do artigo sobre como a ansiedade na gravidez afeta o bebê e a mamãe. E para acessar nosso curso, é só clicar no botão que está abaixo!

Dra. Erica Mantelli

Graduada em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro. Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro. Especialização em sexualidade humana pela Universidade de SÃO Paulo / USP.