3 tipos de infecções vaginais que você deve conhecer

You are currently viewing 3 tipos de infecções vaginais que você deve conhecer

As infecções vaginais são um grande problema para a saúde íntima da mulher. E se não tratada, podem comprometer até mesmo sua saúde em geral.

E apesar de serem mais comuns no verão — quando a mulher fica com a roupa ou o biquíni molhado por mais tempo — as infecções podem ocorrer também em outras épocas do ano.

Além disso, a falta de higiene adequada, o uso de roupas sintéticas, além de relações sexuais desprotegidas, podem causar infecções vaginais.

Para explicar mais sobre o tema, e também como se prevenir, preparamos o artigo abaixo. Confira e tire suas dúvidas!

Vaginose bacteriana

Causada principalmente pela bactéria chamada Gardnerella Vaginalis, seu principal sinal é um corrimento amarelo ou branco-acinzentado, com um odor forte, e que piora durante as relações sexuais e na menstruação. 

Desse modo, também pode provocar ardor e um pouco de coceira. O tratamento também é realizado com medicamento via oral e creme vaginal.

Leia também::: Qual a relação entre candidíase e intestino?

Vaginite por Trichomonas

Doença causada pelo parasita Trichomonas vaginalis e a transmissão é por via sexual. A saber, ela causa inflamação da vagina acompanhada de corrimento amarelo-esverdeado com odor desagradável. 

A doença causa dores ao urinar e durante o ato sexual. Mas se não for tratada, a doença pode suscitar em infertilidade e câncer do colo do útero. O tratamento é feito com medicamento via oral.

Candidíase 

A candidíase é uma infecção provocada por um fungo chamado Candida albicans e está associada a sintomas, como:

  • coceira na vagina e no canal vaginal
  • corrimento branco grumoso
  • ardor local e para urinar
  • dor durante as relações sexuais 
  • vermelhidão na vulva

Em alguns casos, a infecção pode acontecer de forma repetida, quando isso acontece é necessário uma avaliação minuciosa da saúde da mulher. Afinal, pode acontecer por conta de estresse, alterações de imunidade e problemas emocionais. 

Além disso, existem medicamentos e tratamentos específicos para melhorar a imunidade e com isso evitar candidíase de repetição.

Mas, caso apresente qualquer sintoma, procure o ginecologista o quanto antes e jamais inicie o tratamento e uso de medicamentos sem recomendação!

Como prevenir

Para evitar problemas, o ideal é seguir algumas dicas simples que podem minimizar os riscos de desenvolver tais doenças:

  • Evite usar calças apertadas, prefira utilizar vestidos e saias, por exemplo, além de calcinhas de algodão
  • Sempre apare os pelos pubianos. Isso facilita a higienização
  • Faça sempre uma higiene íntima após o ato sexual, urinar e evacuar
  • Troque o absorvente com frequência durante a menstruação
  • O sabonete utilizado deve ser o neutro ou o íntimo, e de preferência com indicação do ginecologista
  • Não utilize sabonete comum na higiene íntima e, após a lavagem externa, utilize toalha higiênica. O uso regular e descuidado do papel higiênico pode causar irritação local
  • Lave as roupas íntimas com água e sabão e seque-as ao sol. Mas não seque peças íntimas em ambientes fechados e úmidos como banheiros
  • Não compartilhe sabonetes, peças íntimas e toalhas

Leia também::: Sexualidade no pós-parto exige cuidados especiais?

Cuide da sua saúde!

Como viu, as infecções vaginais podem representar sérios problemas para a saúde da mulher. Por isso, os cuidados com a higiene são fundamentais.

Além disso, caso perceba qualquer alteração na região íntima, procure seu ginecologista para uma avaliação médica. Aliás, apenas o especialista será capaz de determinar se trata-se de uma infecção vaginal e indicar o melhor tratamento.


Por fim, esperamos que tenham gostado do artigo sobre infecções vaginais e, para mais dicas e informações, baixe também nosso e-book gratuito “Candidíase de Repetição”. É só clicar no botão abaixo!

Dra. Erica Mantelli

Graduada em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro. Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro. Especialização em sexualidade humana pela Universidade de SÃO Paulo / USP.