Quais os perigos do álcool na gestação?

Os perigos do álcool na gestação, infelizmente, costumam ser subestimados por muitas grávidas. Este artigo tem como objetivo informar e alertar para a seriedade desse assunto.

Muitas publicações em revistas, pela internet e até programas de televisão trazem como pauta o assunto “dose segura de álcool durante a gestação”.

Já posso adiantar aqui: a dose segura para o consumo de álcool durante a gestação é zero. A partir do momento em que a mulher sabe que está grávida, deve deixar a bebida alcoólica de lado. Continue até o final para saber dos perigos do álcool na gestação.

A síndrome alcoólica fetal

A Organização Mundial da Saúde – OMS, já considera o consumo de álcool na gestação como um problema de saúde pública. No Brasil, estima-se que entre 10 e 40% das gestantes consumam bebidas alcoólicas em algum nível durante a gestação.

Assim, os bebês nascem com a Síndrome Alcoólica Fetal. O problema é caracterizado por um conjunto de sintomas que o bebê manifesta ao longo da sua vida.

Alguns deles são:

  • Dificuldades na memória e atenção;
  • Anormalidades faciais;
  • Problemas de peso e crescimento;
  • Anormalidades cerebrais (microcefalia);
  • Dificuldades motoras.

Os danos não são apenas físicos, mas podem se manifestar de muitas maneiras em diferentes estágios da vida da criança. A nível cognitivo, emocional e fisiológico.

Como o álcool chega para o bebê?

A gestação é a fase mais importante para o ser humano. É durante a vida intrauterina que todos os sistemas são formados e, também, nessa fase que o bebê fica mais vulnerável. Tudo que acontece no organismo da mãe influencia em sua formação.

Um estudo científico publicado na revista americana Pediatrics alertou para a dose zero de álcool na gestação. Publicado em 2015, o estudo apontou que o bebê é afetado via cordão umbilical.

Uma hora após a mãe consumir álcool, o nível alcoólico do feto pode atingir até oito vezes mais que o nível do sangue da mãe. Isso porque o fígado do bebê, ainda em formação, é incapaz de processar o álcool.

Ou seja, se a mulher ingere uma taça de vinho, para esse bebê o efeito seria de oito taças de vinho. Então, assim como não devemos oferecer álcool na mamadeira do bebê, a gestante também não deve consumir álcool.

Leia também: Você já ouviu esses mitos e verdades sobre a gestação?

Tentantes também devem dar um tempo

A saúde da mulher nos meses que antecedem a gestação também impactam a formação do feto. Enquanto tenta engravidar, o ideal é que consuma doses moderadas e dê um tempo durante o período fértil.

É o que chamamos da limpeza do aquário: preparar o corpo para o desenvolvimento do bebê que vai chegar, assim como limpamos o aquário para colocar um peixe.

Caso já tenha engravidado e tenha consumido alguma dose de álcool sem saber que estava grávida, ou mesmo antes de acessar essa informação, não é preciso sentir-se culpada. Vale a pena rever as atitudes enquanto a gestação segue.

Zelar pela saúde do seu filho é o bem mais precioso que você deixa para ele. Além disso, prevenir as causas dos problemas é muito mais fácil do que controlar seus possíveis efeitos.

Espero que este artigo ajude a entender sobre os perigos do álcool na gestação.

Até a próxima!

Dr. Domingos Mantelli

Graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro (UNISA) no ano de 2002. Possui Especialização / Residência Médica em Ginecologia e Obstetrícia pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro (UNISA), concluída em 2004