Melatonina e fertilidade: você conhece a relação entre ambas?

Você acredita que melatonina e fertilidade estão relacionadas? O famoso hormônio do sono conta com muito mais funções no organismo do que costumamos ouvir por aí. Entre todas as razões pelas quais é importante, a melhora da fertilidade é destaque.

Se você já me acompanha por este blog ou pelas minhas redes sociais, sabe que a qualidade dos óvulos e até dos embriões depende do local em que irão se desenvolver. A melatonina tem relação direta com a estrutura uterina, se vai ser mais ou menos adequada para abrigar o bebê durante a sua formação.

Vamos entender melhor?

Ação da melatonina e ovulação

Melatonina e fertilidade contam com uma relação tão estreita que é praticamente impossível engravidar se os níveis desse hormônio não estiverem regulados. A melatonina é produzida pela glândula pineal do sistema nervoso central e tem papel fundamental na formação de novos vasos sanguíneos.

Enquanto a mulher está nos seus dias férteis, ou seja, está ovulando, o organismo libera uma alta taxa de radicais livres. Quando a melatonina encontra-se em bons níveis, ela é capaz de equilibrar esses radicais livres, favorecendo a maturação e a qualidade do óvulo para que seja fecundado.

Após a ovulação, a melatonina também auxilia no processo da liberação da progesterona pelo corpo lúteo – que é liberado pelo óvulo após a ovulação e garante o bom desenvolvimento do feto.

A ação antioxidante da melatonina protege todo o organismo da ação dos radicais livres. Quando esses radicais não são combatidos, podem levar à morte de muitas células da região em que o feto se desenvolve, causando uma possível atrofia no local.

Por isso, quando a mulher está preparando o seu corpo para engravidar, é muito importante que os níveis da melatonina estejam em boas quantidades.

Leia também: Qual é a importância da humanização do parto?

Como garantir melatonina?

Se melatonina e fertilidade contam com uma relação tão próxima, é claro que um processo de pré-concepção precisa favorecer a formação do hormônio do sono. Para isso, não é necessário apenas dormir o suficiente, mas também dormir com qualidade.

A futura mamãe precisa priorizar o momento de pegar no sono, deixando o quarto bem escuro e sem nada de atividades muito estimulantes antes de dormir. Luzes vindas do celular e da televisão são prejudiciais para a produção da melatonina.

A alimentação também deve ser bem leve, de preferência antes das 19 horas e com mais proteínas magras do que gorduras.

Em alguns casos, o médico pode indicar a suplementação da melatonina. Assim, as chances de iniciar uma gravidez saudável aumentam muito. Mas, atenção: é preciso usar apenas a quantidade receitada sob as devidas orientações profissionais.

Engana-se quem pensa que gestantes não podem suplementar vitaminas e outros nutrientes essenciais para a saúde dela e do bebê. Ou, que essa suplementação fique limitada ao ferro – que acaba sendo o mais comum.

Pensando nisso, elaborei o e-book “Suplementação na Gravidez”, o qual recomendo a todos os papais e mamães que sonham com o seu bebê genial. Para baixar, basta clicar aqui e preencher o formulário para receber direto no e-mail.

Espero ter ajudado a explicar sobre a relação entre melatonina e fertilidade.

Até a próxima!

Dr. Domingos Mantelli

Graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro (UNISA) no ano de 2002. Possui Especialização / Residência Médica em Ginecologia e Obstetrícia pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro (UNISA), concluída em 2004
Fechar Menu