Qual é a importância da humanização do parto?

Quando falamos em humanização do parto, muitos remetem diretamente ao parto normal e até mesmo feito em casa. No entanto, o conceito não está diretamente relacionado ao tipo de parto.

A dra. Erica Mantelli explica neste artigo sobre os tipos de partos e também fala um pouco sobre a humanização do parto. Eu quero aprofundar o assunto já introduzido por ela para que você entenda que, independente da opção de parto da mulher, ela merece um processo humanizado.

Como definir a humanização do parto?

Se eu pudesse resumir a humanização do parto em uma única palavra, essa seria RESPEITO. É preciso respeitar tanto a parturiente quanto a nova vida que está surgindo. Entendemos o nascimento como uma transcendência e, por isso mesmo, não pode ser de qualquer maneira.

A sala de parto deve ficar em silêncio, ou no máximo com uma música ambiente já utilizada pelo casal durante a gestação para ambientar o bebê. Precisamos lembrar que o bebê está deixando um espaço de calor, aconchego e escuridão para ficar adaptado a uma nova realidade fora do útero.

Fora do ventre da mãe, ele precisa ficar acostumado a novas luzes. Portanto, o ideal é que a transição ocorra de forma suave, com o nascimento acontecendo em uma penumbra. O mesmo vale para a temperatura, afinal, ele está aconchegado a 37ºC e é diretamente condicionado a 25ºC.

Logo no nascimento, esse bebê precisa ser acolhido com calor e muito carinho. Ao nascer, o pequeno deve ser recebido com delicadeza, ter sua cabecinha acarinhada e ouvir de seus pais o quanto é bem-vindo, amado e desejado.

Respeito à mãe e ao filho

A gestante deve sempre ter as suas necessidades atendidas desde que não exista risco para a sua vida ou para a vida do seu filho. Seja parto cesáreo ou normal, com ou sem analgesia. Ninguém deve julgar sua escolha.

Só faço um parêntese para que o parto seja realizado no hospital. Partos em casa oferecem riscos dispensáveis para a mulher e seu bebê. Em caso de emergência, o tempo de deslocamento até um hospital pode ser precioso. Não vale a pena arriscar.

Ainda assim, em ambos os tipos de parto, é possível manter o contato imediato entre mãe e filho. Quando o parto é normal, deixamos que a mãe ampare o bebê diretamente no canal do parto a fim de conduzi-lo ao seio.

Em parto cesáreo, o bebê é retirado do útero e colocado em contato com a pele da mãe imediatamente. Nós, profissionais da saúde, coordenamos esse processo e observamos o milagre acontecer!

O ideal é que o bebê passe a primeira hora de vida assim, junto de sua mãe e de seu pai, recebendo amor. Outro detalhe é o cordão umbilical que não precisa ser cortado imediatamente, mas pode ser mantido por até 3 minutos a fim de possibilitar 150ml a mais de sangue rico em células tronco, o qual auxilia a imunidade.

Isso é humanizar o parto: respeitar a nova vida!

Espero ter explicado a você sobre o processo de humanização do parto.

Até a próxima!

Dr. Domingos Mantelli

Graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro (UNISA) no ano de 2002. Possui Especialização / Residência Médica em Ginecologia e Obstetrícia pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro (UNISA), concluída em 2004
Fechar Menu